a internet é o meu país

penso a internet como uma festona bem gigantesca: cheeeia de gente querendo fazer amizade, mas né, ninguém conseguindo conversar com ninguém por conta da barulheira. pra mim faz sentido, então, puxar assunto com quem tá perto, criar minha própria panelinha, fazer essa conversa render até que gente da própria panela vá catando outras gentes pro assunto crescer, reverberar.

meu trabalho como personal stylist sempre teve a ver com organizar e sistematizar narrativas a partir de identidade: entender quem a gente é e onde/como a gente tá vivendo, pra então estudar técnica e escolher certeiro, fluir. tenho AMADO exercitar essa prática também em narrativas digitais, em comunicação online, vivendo na prática a panelinha que engaja em conversa e cresce por afinidade, por troca real e eficaz, por experiência compartilhada pro benefício de todo mundo \o/ e da própria rede mundial.